Uni versos e versos

Uni versos e versos
by gabi grisi

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Sometimes


Às vezes eu me pego pensando no que a gente vivenciou juntos. Ás vezes lembro que o momento mais bonito do dia para você era do final da tarde para o começo da noite. Às vezes é um sentimento de saudade, misturado com gratidão.

Gratidão por você ter me feito uma pessoa melhor, gratidão por me mostrar que a vida não é um mar de rosas, apesar de que essa minha veia artística-sensível ainda me faz sonhar e pensar que é a vida é um mar de rosas, ok tá bom, a gente pode entrar em consenso e dizer que é 50% mar de rosas, e 50% não será.

Às vezes eu também penso que trouxe um pouco mais de leveza na sua vida, e que você deve ter repensado um pouco toda as vezes em que eu pedia para você trabalhar menos e viver mais.Às vezes eu queria ter me despedido melhor de você, digo pessoalmente. Mas às vezes também nem me despedido eu queria, é sempre doloroso dizer não quando se ama.

Às vezes eu também acho que você deveria ter tentado insistir um pouco mais na gente, às vezes acho que não. Às vezes eu acho que a vida cria certas barreiras, e que a gente nem sabe porque foram criadas.

Às vezes eu queria dizer que ainda te amo, mas eu sei que às vezes nem vale a pena dizer.Às vezes eu acho que sei das coisas, e na maioria das vezes eu sei que não. (Gabriella Grisi)

segunda-feira, 3 de julho de 2017

A frivolidade humana e a tecnologia no mundo moderno



      Desde o seculo XVIII com a chegada da revolução Industrial, que a sociedade começou a deixar de lado as relações interpessoais, e passou a dar mais valor ao dinheiro, lucro, e produtividade em grandes escalas.    Hoje no século XXI o que mais me preocupa é o avanço da tecnologia, e como iremos lidar com ela, sem que percamos os nossos valores humanos, e não nos esquecemos que somos animais racionais - nem sempre- fazendo parte do planeta Terra e da natureza humana.

     Que a humanidade sempre foi frívola nós sabemos disso, mas a tecnologia chegou para nos mostrar o quanto nós podemos nos afastar da nossa própria condição humana. A instantaneidade das coisas, as histórias de 1 minuto no Instagram, ou os 140 caracteres do Twitter, nos mostra o quanto deixamos de contar as histórias com mais detalhes, e mais veracidade, só para ter mais histórias, não nos importando quais são as fontes e se são verdadeiras, a lógica da internet é o "agora", quanto mais produzirmos informações e quanto mais rápida for, melhor. A lentidão é algo démodé, coisa de velho.

       A vaidade, e o ego são dois sentimentos perigosos, e que podemos vivenciar todos os dias nas nossas redes sociais, com curtidas, seguidores, ou milhares de "amigos" que nunca vimos na vida.  Eu também faço parte disso tudo, assim como você meu amigo do Facebook que está lendo esse texto agora. Peço a vocês que reflitam mais sobre essa rapidez do mundo, sobre as relações humanas que estão sendo perdidas, sobre a solidão que nos acerca enquanto temos milhares de amigos numa rede virtual, mas que daquele milhares, nem dez foram na sua casa te visitar.

       Que a tecnologia nos trouxe avanço na ciência, nas comunicações, e em outras áreas isso é inegável. Mas que comecemos a pensar que talvez estejamos nos perdendo nesse mundo louco de "fast bits".

(Gabriella Grisi)

segunda-feira, 27 de março de 2017

A hora da partida

Eu fico sempre pensando o quanto é difícil dizer adeus para as pessoas, seja ela uma pessoa com que nos relacionamos amorosamente, um amigo, ou um ente querido que se vai. Mas também sei que a vida é feita de encontros e desencontros, e que isso é algo natural. Ninguém nunca quer perder, é natural do ser humano querer sempre ganhar.
É na perda que a gente aprende, reflete, e torna-se uma pessoa melhor na maioria das vezes. Eu não quero fazer da perda uma mágoa, ou uma saudade que machuca. Quero lembranças boas, saudades de momentos bons e felizes.
Mas a hora da partida sempre vai chegar, seja ela na morte ou na vida. Partir nem sempre é dizer nunca mais, partir é somente ir. Se alguém te deixou algo, se ela vive dentro de você, você sempre estará com ela.
"A vida é a arte do encontro embora haja tanto desencontro pela vida". Que o carinho e a compreensão sejam eternos, porque amar também é saber dizer adeus.

(Gabriella Grisi)

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Tem dias

Tem dias em que tudo parece um dia cinza em São Paulo. E as pessoas passam, e todos parecem ser zumbis e aquele sorriso fingido, é só mais uma mentira. Morrer não parece tão ruim Viver também não, todas as coisas ficam mornas e sem sentido. Talvez seja só tristeza, ou talvez um momento errôneo, I don't now baby, I don't now.










Gabriella Grisi

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

O haver


    Resta, acima de tudo, essa capacidade de ternura 

    Essa intimidade perfeita com o silêncio 

      Resta essa voz íntima pedindo perdão por tudo
      - Perdoai-os! porque eles não têm culpa de ter nascido...

      Resta esse antigo respeito pela noite, esse falar baixo
      Essa mão que tateia antes de ter, esse medo
      De ferir tocando, essa forte mão de homem
      Cheia de mansidão para com tudo quanto existe.

      Resta essa imobilidade, essa economia de gestos
      Essa inércia cada vez maior diante do Infinito
      Essa gagueira infantil de quem quer exprimir o inexprimível
      Essa irredutível recusa à poesia não vivida.

      Resta essa comunhão com os sons, esse sentimento
      Da matéria em repouso, essa angústia da simultaneidade
      Do tempo, essa lenta decomposição poética
      Em busca de uma só vida, uma só morte, um só Vinicius.

      Resta esse coração queimando como um círio
      Numa catedral em ruínas, essa tristeza
      Diante do cotidiano; ou essa súbita alegria
      Ao ouvir passos na noite que se perdem sem história...

      Resta essa vontade de chorar diante da beleza
      Essa cólera em face da injustiça e do mal-entendido
      Essa imensa piedade de si mesmo, essa imensa
      Piedade de si mesmo e de sua força inútil.

      Resta esse sentimento de infância subitamente desentranhado
      De pequenos absurdos, essa capacidade
      De rir à toa, esse ridículo desejo de ser útil
      E essa coragem para comprometer-se sem necessidade.

      Resta essa distração, essa disponibilidade, essa vagueza
      De quem sabe que tudo já foi como será no vir-a-ser
      E ao mesmo tempo essa vontade de servir, essa
      Contemporaneidade com o amanhã dos que não tiveram ontem nem hoje.

      Resta essa faculdade incoercível de sonhar
      De transfigurar a realidade, dentro dessa incapacidade
      De aceitá-la tal como é, e essa visão
      Ampla dos acontecimentos, e essa impressionante

      E desnecessária presciência, e essa memória anterior
      De mundos inexistentes, e esse heroísmo
      Estático, e essa pequenina luz indecifrável
      A que às vezes os poetas dão o nome de esperança.

      Resta esse desejo de sentir-se igual a todos
      De refletir-se em olhares sem curiosidade e sem memória
      Resta essa pobreza intrínseca, essa vaidade
      De não querer ser príncipe senão do seu reino.

      Resta esse diálogo cotidiano com a morte, essa curiosidade
      Pelo momento a vir, quando, apressada
      Ela virá me entreabrir a porta como uma velha amante
      Mas recuará em véus ao ver-me junto à bem-amada...

      Resta esse constante esforço para caminhar dentro do labirinto
      Esse eterno levantar-se depois de cada queda
      Essa busca de equilíbrio no fio da navalha
      Essa terrível coragem diante do grande medo, e esse medo
      Infantil de ter pequenas coragens.

      (Vinicius de Moraes)

segunda-feira, 9 de junho de 2014

um barco sem porto


Nessa solidão de um barco sem porto
Ando pela madrugada vazia
Buscando um amor 
Ou qualquer outra coisa
Que possa preencher
Todo esse oco.

Velo a noite
Levo o dia,
Como uma vela
No mar, que navega
Para chegar em 
Um destino qualquer.

Minha alma em silêncio
Grita por socorro,
Mas só os loucos
Entenderão o que é 
Um grito de silêncio.

Minhas palavras um dia,
alguém há de entender.
Rio de letras indo
pra qualquer lugar
sim eu sei que 
O amor um dia há de ficar.




terça-feira, 23 de julho de 2013

Há braços

Um pedaço de você
dentro dos meus braços
Há braços num abraço
Afeto, carinho guardado.

Calor, troca de energia
É tudo questão de sintonia
Sinestesia que não se explica.

Pode ser magia
Ou puro sentimento,
Pode vir também
De fora ou de dentro.

Leve movimento
Que enlaça e se entrelaça
Calmamente se refaz
E novamente se desfaz

Dentro desse carrossel
Os braços deram-se as mãos
É soma e multiplicação,
Ninguém pensa em divisão
Há braços, abraço,junção,
É prosa com verso, cordel.



(Gabriella Grisi)