Uni versos e versos

Uni versos e versos
by gabi grisi

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Sonhos não envelhecem

As folhas caiam sobre o meu jardim, estava começando outono, e mais
um dia se passara.De manhã me levantei, como de costume fui logo a cozinha
fazer o café, da cozinha dava para ver o quintal, as árvores estavam renovando
as folhas.Fiquei pensando se aquele também não seria um momento para
eu me renovar, afinal estava cansada do meu trabalho, da vida, de viver sempre
só, a coisa de maior valor para mim é era o meu cachorro.

Ele se chamava Juca, era
um poodle branco, lindinho de morrer.
Fiz o café e deixei-o sobre a mesa, fui escovar
os dentes, e percebi o quanto a minha cara estava pálida no espelho.

Tomei o meu café amargo, não gosto de café com açúcar, para mim ele perde
o sabor.Na verdade sempre evitei doce, nunca fui muito chegada em chocolate,
só havia uma coisa que amava muito e me deliciava sempre que comia, era o
pudim da vovó, ela fazia um que era coisa de louco, era uma pena
eu não poder tê-la ali comigo.

Chegando no trabalho, dei bom dia ao chefe, a minha amiga do lado também,
mas ela nem me respondeu, achei estranho ela era sempre tão alegre, e sempre
me respondia.Sentei na minha mesa cheia de papéis e coisas chatas que eu
não mais aguentava, passei o dia angustiada,
fui para casa determinada a mudar de vida.

O meu sonho sempre foi ser bailarina, quando pequena vovó me colocou
numa aula de ballet, me encantei logo de cara com aquela dança,
estudei durante dez anos, dai chega o vestibular, quero prestar para
dança, mas todo mundo diz que não dá dinheiro, escolhi contabilidade
pois era uma profissão que estava em alta, e até que eu gostava de matemática.
Terminei o meu curso e todos ficaram orgulhosos de mim, menos eu mesma.

Hoje seria o dia da mudança, liguei para a minha
antiga professora e pedi para ela me indicar
uma boa escola de dança, ela já não ensinava mais,
estava aposentada, me deu o telefone de Carmélia,
falou que teria sido sua aluna e que era uma ótima professora.

Liguei para Carmélia e marquei a minha primeira aula.
Ficou para a terça-feira às sete horas da noite.
Desliguei feliz, e com uma certeza,
a de que os sonhos nunca envelhecem.

2 comentários:

Chico Viana disse...

Pois é, Gabriella. Sonhos não envelhecem. Quem envelhece somos nós ao deixar de sonhá-los.

Abraços de

Chico Viana.

EMPOEMAMENTO disse...

Vc acaba de nos dizer algo muito importante pra nós...


Gostariámos de dar um telefonema desses...

Sonhos não envelhecem!



Como sempre, linda!

Beijos Vermelhos,


Mi e ChicO!