Uni versos e versos

Uni versos e versos
by gabi grisi

sábado, 12 de julho de 2008

Sábado à noite

Sábado a noite já aspira boemia, divagações, festas, baladas, amigos, teatro, cinema. Mas sempre há de surgir aquela velha pergunta :

Para onde iremos hoje à noite?

- Amor, eu ouvi falar que hoje iria ser a inauguração daquele barzinho, que outro dia, passamos na frente, inclusive eu até comentei que era estranho um bar todo pintado de preto, mas tinha achado inovador e interessante, e então o que você acha de darmos uma passadinha lá? Ana e Ricardo até nos chamou.

- Bem eu não sei, na verdade eu gostaria de ir para um lugar mais calmo hoje, não estou muito afim de barulho, muita gente, até porque estou com uma enorme dor de cabeça. Respondeu Juliana, bastante cabisbaixa.

- Ah amorzinho, nós escolhemos um cantinho calmo lá, uma mesa no lado de dentro e bem discreta, na área climatizada, estou com o pressentimento que vai ser ótimo se nós formos. Insistiu Tales com aspecto de apaixonado.
- Hoje não estou afim. Esquivou-se Juliana completamente desanimada.
- Eu tive uma idéia ótima, estupenda, mais do que maravilhosa! Retrucou Tales repentinamente.

-Diga, diga logo. Não quero beber hoje, muito menos freqüentar um lugar sombrio, estou cansada de melancolia, não quero me embriagar, por favor, me entenda. Respondeu Juliana demonstrando ter perdido totalmente a paciência.

De repente surge um enorme silêncio quebrado pelo pedido de desculpas de Juliana. – Ah amor me perdoa, não queria discutir com você. Desculpa-me, ao menos deixei você falar sobre sua idéia e fui completamente grossa. Sou uma boba, uma garota mimada, ainda quer ir conhecer o tão falado bar?

- Claro. Vamos agora? Tales não escondia sua felicidade.
- Sim. Vamos sim meu amor. Juliana respondeu bem graciosa.

Entraram no carro e Tales tratou de conduzir o veículo até o bar. Chegando ao recinto, um grande movimento de jovens em clima carnavalizado. Comportamento estranho para um bar onde o som pulsante e barulhento das guitarras do rock reina. Tomava conta da entrada. Ao adentrar no local uma banda executava de maneira aplausível a canção Last Night da banda americana The Strokes. Coincidência ou não, era a mesma música que há três anos atrás era executada quando Tales e Juliana trocaram o primeiro beijo.

Juliana que até então parecia está apenas cedendo a um capricho do seu namorado, abre um belo sorriso. Tales ao vê-la feliz pergunta:

- Está gostando amor?
- Muito. Essa música me deixa emocionada. Respondeu entusiasmada Juliana.
- Você ainda não viu nada. Replicou Tales.
A banda termina a execução de Last Night e então o cantor pede a atenção de todos:

- Por favor, eu gostaria de dizer duas palavrinhas nessa noite de inauguração do nosso bar. Hoje é uma noite bastante especial para um casal que está aqui entre nós, trata-se de Tales e Juliana que há três anos atrás ao som da última canção tocada por nós, selavam o começo de uma relação de amor e compreensão. Queria que todos aplaudissem esse belo casal. Encerrou o discurso sob aplausos o cantor.

Eram perceptíveis as lágrimas no rosto de Juliana. Ana e Ricardo testemunhas desse amor surgem no meio do salão trazendo um bolo na mão e todos cantam parabéns. Tales olha para Juliana, carinhosamente segura sua mão e pergunta:

- Gostou da surpresa amor?
- Nossa! Como você foi perfeito Tales. Como pude esquecer a data do nosso aniversário de namoro? Mais uma vez me desculpa por tudo que te fiz passar hoje. Respondeu Juliana, satisfeita e envergonhada.
- Não faz mal, apenas me beije e curta nossa noite. Tales pouco se importava com o esquecimento da namorada.

O casal selou a noite com um beijo ardente e apaixonado. A festa durou a noite toda. Noite de sábado que foi a mais feliz das vidas de Juliana e Tales.

Um comentário:

Vinícius Aguiar disse...

Nossa Gabi, que conto lindo!
Adorei... vc deveria escrever mais nesse estilo... tem uma imaginação maravilhosa pro gênero... perfeito!
beijos!